o vídeo como introdução à literacia digital

A linguagem do vídeo pode ser uma abordagem pedagógica muito eficiente para o letramento midiático. A partir da formulação de cinco perguntas, pode-se desenvolver tanto habilidades de análise (desconstrução) quando de produção (construção) de mídia. Aplicar de forma rotineira e regular estes questionamentos a todas as experiências midiáticas cotidianas – desde ler notícias e observar uma propaganda de revista até navegar ou compartilhar na internet – é uma forma eficiente de implementar a literacia digital.

Tanto o entendimento do papel das mídias como a capacidade de questionamento e auto-expressão são essenciais em uma sociedade porque ser cidadão inclui tanto compreender quanto contribuir para os debates. Uma audiência competente e crítica pode controlar a interpretação do que vê e ouve sem deixar que esta interpretação a controle. Como um exercício de poder sem precedentes, a internet oferece diversos meios para que usuários de todas as idades possam interpretar e localizar informações enganosas, verificar as fontes e reconhecer as qualidades da informação legítima.

Uma maneira de se estabelecer esta autonomia crítica, isto é, a capacidade de pensar por si só, é fazer as perguntas certas sobre o que se está assistindo, lendo ou ouvindo. São questionamentos que derivam das cinco categorias tradicionais de análise retórica:

Autoria – É importante entender que o que foi construído por apenas algumas pessoas pode se tornar uma realidade para todos. Compreender que o funcionamento das mídias não é um processo natural, mas culturalmente construído – ou seja, o que é ou não veiculado é uma decisão tomada por alguém – , é essencial para a contextualização do conteúdo da mensagem que se está lendo, assistindo ou ouvindo.

Formato – As linguagens midiáticas possuem complexidades próprias que precisam ser conhecidas. Existem verdadeiros sistemas de gramática e sintaxe das mídias, especialmente na linguagem visual, cuja compreensão não só torna os indivíduos menos suscetíveis à manipulação, como aumenta a capacidade de apreciação da forma como os artefatos culturais são construídos. O melhor caminho para esta compreensão é a prática destas linguagens e a observação e análise dos resultados de seu exercício.

Público – Cada membro do público faz sua interpretação pessoal da mensagem recebida de forma inconsciente e imediata, de acordo com seu conjunto de experiências de vida. Em linguística, se diz que o autor do texto é na verdade aquele que lê, porque, a partir das escolhas de significados feitas pelo escritor, a significação pessoal se concretiza na leitura, e nem sempre é a mesma intencionada pelo escritor. É  mesmo problema da intenção do legislador na interpretação das leis, por exemplo. Ao ter consciência deste fenômeno e da inevitabilidade das diferentes interpretações, cria-se o respeito por diferentes culturas e opiniões e a consciência de que o significado de uma mensagem está em permanente mudança.

Conteúdo – Se toda a mensagem midiática é construída, as escolhas feitas invariavelmente refletem os valores e atitudes de quem as constrói. A decisão sobre a idade, sexo ou raça de um determinado personagem juntamente com seu estilo de vida e todos os outros detalhes de um roteiro é a maneira como valores são embutidos em um filme, noticiário ou comercial de TV. É importante poder analisar o que os valores embutidos querem reforçar ou desafiar. Ao identificar os valores latentes ou evidentes em uma representação midiática, as pessoas estão mais aptas a aceitar ou rejeitar uma mensagem de acordo com seus próprios valores.

Finalidade – Para compreender a uma mensagem, também é importante descobrir por que ela foi transmitida, afinal muitas das mídias de massa foram desenvolvidas com fins comerciais. É preciso avaliar uma representação midiática neste sentido para, por exemplo, verificar se a sua finalidade é o lucro, pois tal influência é mais aceitável nas mídias de entretenimento que nas educacionais ou no noticiário.

QUADRO RESUMO

CENTER FOR MEDIA LITERACY. MediaLit Kit – Teacher´s / Leader´s Orientation Guide

Palavra-chave Conceito Pergunta-chave
1. Autoria Toda mensagem midiática é “construída.” Quem criou esta mensagem?
2. Formato As mensagens midiáticas são construídas usando uma linguagem criativa, que possui suas próprias regras. Que técnicas foram usadas para atrair minha atenção?
3. Público Cada pessoa experimenta a mesma mensagem midiática de forma diferente. Como pessoas diferentes compreendem esta mensagem de forma diferente?
4. Conteúdo As mídias possuem valores e pontos de vistas embutidos em suas mensagens. Que estilos de vida, valores e pontos de vista são representados, ou omitidos, nesta mensagem?
5. Finalidade A maior parte das mídias está organizada com base na obtenção do lucro e/ou do poder. Por que esta mensagem foi transmitida?

Referência: SANTOS, Rosa Maria Cardoso. O Vídeo e o Letramento Midiático nas Práticas Docentes da Era Digital, 2012.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>